SBCJ

Caso clínico

Revisão de LCA com Patela Baixa

Resumo:

Instabilidade ligamentar (lesão de LCA) há aproximadamente 5 anos, foi submetida a dois procedimentos cirúrgicos para reconstrução ligamentar não obtendo resultado satisfatório até o momento.


Paciente (dados):

51 anos, sexo feminino, hígida.


História:

Paciente com história de instabilidade ligamentar (lesão de LCA) há aproximadamente 5 anos, foi submetida a dois procedimentos cirúrgicos para reconstrução ligamentar não obtendo resultado satisfatório.
Procurou outro colega que realizou revisão de cirurgia de reconstrução ligamentar associada a osteotomia valgizante de adição tibial. Ainda com este mesmo colega, após aproximadamente 1 ano, retirou o material de síntese. Atualmente apresenta queixas de dores difusas e falseios freqüentes no joelho acometido.
Exame físico:
Patela baixa, incisão linha mediana longitudinal de aproximadamente 15 cm, incisão medial longitudinal de aproximadamente 15 cm, adm normal, lachmann mole, pivot shift +, dor à palpação de ambas interlinhas, gaveta posterior negativa, sem bocejo medial ou lateral.
RM: degeneração do neo ligamento, degeneração interna corno posterior do menisco medial sem sinais de ruptura, condropatia grau III, compartimento medial, condropatia trócleo-patelar.



  •  fig36-1

  • fig36-2

  • fig36-3


Diagnóstico(s):

Instabilidade ligamentar do joelho esquerdo.


Questionamento sobre o caso:

Após 3 tentativas de reconstrução ligamentar que não obtiveram bom resultados, levando em consideração também a altura da patela, você indicaria uma nova reintervenção?
Em caso de indicar nova cirurgia, faria em um ou dois tempos? Qual a técnica, tipo de enxerto e método de fixação que você utilizaria?


Informações sobre o autor

Nome: Daniel Rodrigo Klein
Cidade: Brusque Estado: SC
Hospital: Azambuja Departamento: Ortopedia e Traumatologia

Comentários sobre o Caso Clínico

NISO BALSINI 01-11-2014
A paciente é relativamente jovem e um fato importante relatado no histórico, ela é hígida e naturalmente ainda com grande potencial de mobilidade física. Se nada for feito e o joelho permanecer instável, haverá piora rápida das lesões condrais que apresenta, com piora gradativa da dor. Apesar de ter sido submetida a osteotomia valgizante, naturalmente para corrigir varismo apresentado, ao Rx observa-se o compartimento medial ainda estreitado e com provável hiperpressão localizada, o que explica a lesão condral descrita para este compartimento. Seria interessante realizar uma nova leitura do grau de varismo que ainda apresenta e se indicado realizar nova osteotomia valgizante para descarregar a pressão medial e transferi-la para o compartimento lateral, que segundo consta, está integro.Isto feito, proceder à reconstrução do LCA, com o cuidado de acessar antero medial acessório e não colocar o enxerto em posição semverticalizada, como se observa quando do uso do pino transverso. Como enxerto, usar aquele ainda disponível, ou contralateral ou de banco. A fixação recomendada é a mais rígida possível tanto no femur como na tibia, não se acanhar de fixar em poste na tíbia. Não atuar na patela, apenas tratar a lesão condral e fortalecimento e alongamento muscular.Niso Balsini 01/11/2014


WANDER EDNEY DE BRITO 26-09-2013
Daniel pela idade (51 anos) e grau de artrose não trataria mais como caso de instabilidade e sim de artrose. Não realizaria reconstrução ligamentar.



Comentários sobre o Resultado Final