SBCJ

Caso clínico

“Joelho Flutuante” com P.U.C.




Resumo:

Paciente portador de PUC do joelho D operado há 1 ano e 6 meses, vinha bem quando sofreu acidente de moto com trauma de grande impacto contra o joelho operado



Identificação:

CAS



Paciente (dados):

52 anos, sexo masculino



Exame Físico:

Deformidade acentuada do MID com joelho instável e edema importante




  • imagem1

  • imagem2

  • imagem3

  • imagem4


Diagnóstico:

RX - fratura supra condileana do fêmur D, completa, cominuta, com grande desvio + fratura completa da metáfise tibial, completa cominuta e com desvio



Discussão:

 -Sinais importantes a se avaliar na entrada ao PA


- Conduta imediata


- Conduta definitiva



Conduta adotada:

- Osteossíntesse minimamente invasiva com placa LISS na fratura do fêmur e da tíbia + placa de apoio medial na tíbia



Resultado final:

- Pós-operatório sem imobilização, com movimentação precoce assistida pela fisioterapia


- Liberado para marcha sem apoio (muletas) em 4 semanas


- Exame em 90 dias ADM 0-90 graus, indolor, prótese estável, iniciando com carga parcial com muletas. Ainda sob acompanhamento ambulatorial



Questionamento sobre o caso:

Comentários?
Críticas?
Sugestões?


Informações sobre o autor

Nome: Dr. José Francisco Nunes
Cidade: Campinas Estado: SP
Hospital: Hospital Beneficência Portuguesa de Campinas Departamento: Serviço de Cirurgia do Joelho

Comentários sobre o Caso Clínico

NISO EDUARDO BALSINI 01-07-2014
Caso de extrema dificuldade. Diante da gravidade da fratura e idade do paciente, acredito que a opção seria preparar a articulação para uma artroplastia total.Diante do rx atual, sugere que a fixação femoral ficou em valgo, o que vai dificultar a colocação da prótese no futuro. (talvez tenha que associar osteotomia).



Comentários sobre o Resultado Final